CobNews

EMPRESAS AGEM PARA EVITAR AÇÕES TRABALHISTAS

Notícias >> Setor Imobiliário Lista do governo aponta 36 casos ativos com construtoras no primeiro semestre.

Capacitação de mão de obra, diminuição da terceirização e cursos de inclusão comunitária. São essas as estratégias das construtoras para evitar infração às normas trabalhistas. Segundo especialistas ouvidos pelo DCI, esse tipo de impasse afeta, diretamente, a receptividade do cliente com a marca. Na lista mais atualizada do Ministério do Trabalho e Emprego, 7% dos casos de trabalho análogo à escravidão envolvem construtoras. Segundo o ministério, até 1 de julho, foram 609 ocorrências de empregados flagrados em práticas de trabalho análogo à escravidão. Na construção civil, 36 casos foram apurados. "Nesta atualização semestral foram incluídos os nomes de 91 novos empregadores, e excluídos 48 empregadores", diz em nota o ministro do trabalho e emprego, Carlos Roberto Lupi. Segundo o diretor da consultoria Sitawi, Gustavo Pimentel, além do análogo à escravidão, ações que envolvam corrupção, infração dos direitos humanos e falta de sustentabilidade também prejudicam a marca. "As empresas que têm marcas conhecidas e lidam diretamente com o consumidor são as mais preocupadas [com a imagem], independentemente de terem capital aberto ou fechado", disse ele. Para a especialista em gestão de crise e consultora do mercado imobiliário, Liliane Arruda, acusações de infração às leis trabalhistas podem desvalorizar até 25% da marca em uma construtora. "O impacto é grande, e por isso as empresas estão mais atentas à capacitação de mão de obra própria", explicou ela ao DCI.
FONE: +55 31 3296-7005
FAX: +55 31 3292-7814
AV. RAJA GABÁGLIA, 4987
SANTA LÚCIA - BELO HORIZONTE
MINAS GERAIS
FONE: +55 31 3378-4527
Av. AGGEO PIO SOBRINHO, 431
BURITIS - BELO HORIZONTE
MINAS GERAIS